Novo

No Soy Un Aculturado: Indigenismo Obras De José M Arguedas

70 reais

em 12x 6 reais con 68 centavos

Enviando normalmente

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Sem garantia

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 12x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroNo soy un aculturado”: indigenismo e identidade nacional nas obras de José Maria Arguedas
AutorGraziela Menezes de Jesus.
IdiomaPortuguês
EditoraAlexa Cultural
FormatoPapel

Outras características

  • Gênero do livro: antropologia

  • Tipo de narração: Manual

  • Idade mínima recomendada: 10 anos

  • Idade máxima recomendada: 80 anos

  • ISBN: 9786589677321

Descrição

José María Arguedas é considerado um dos maiores escritores peruanos. Sua primeira publicação foi um livro de contos chamado Agua (1935)1, que apresentava uma série de elementos característicos de sua produção intelectual2. Entre esses elementos podemos citar: o cenário geográfico andino, protagonistas de origem indígena, citação de cantigas e contos em quéchua, conflito étnico, descrição da cultura, do mundo mítico indígena e vários outros pontos que marcam ricamente a obra desse autor.
O pensamento e a criação intelectual de Arguedas estavam inseridos em um longo debate inaugurado no final do século XIX, no qual os grandes temas da política peruana eram: entender o papel dos indígenas dentro de uma sociedade e Estado que se pretendiam modernos e como conciliar esses elementos com a identidade nacional peruana.
A escolha do tema identidade nacional no Peru a partir das obras de José María Arguedas surgiu no contexto de estudos sobre o indigenismo na América Latina, cujo nome do romancista peruano, ao lado dos de José Carlos Mariátegui e de Ciro Alegria, emergia nos textos como um dos principais representantes dessa corrente no Peru.
Quando nos deparamos com os dilemas de versar sobre a formação das identidades nacionais em sua relação com as identidades étnicas, temos que ter em mente que estamos diante de um emaranhado de conceitos e de diferentes abordagens sobre o tema. O recorte historiográfico, no nosso caso, a construção que José María Arguedas apresenta sobre a nacionalidade no Peru, entre 1935 e 1969, nos permite propor acercamentos mais objetivos sobre o tema.