Novo

Vivências E Olhares: O Colonialismo E As Lutas De Libertação

42 reais

em 6x 7 reais con 76 centavos

Enviando normalmente

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Garantia da loja

Sem garantia

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 6x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

Título do livroVivências E Olhares: O Colonialismo E As Lutas De Libertação
FormatoPapel

Outras características

  • Tipo de narração: Manual

  • ISBN: 9788554670184

Descrição

Vivências e Olhares: O colonialismo e as lutas de libertação na Argélia na perspectiva de Pierre Bourdieu e Frantz Fanon Jefferson Cavalcanti Lima ISBN - 978-85-5467-018-4 14x21cm - 128 páginas Jefferson encontra dois sujeitos importantes para a discussão pós-colonial, ambos imersos na mesma voragem histórica da libertação argelina, ambos ali estabelecidos pelo próprio processo de dominação colonial. A semelhança contextual, porém, será operada por cada um deles de modo radicalmente diferente. Num, Bourdieu, sob a perspectiva de que apenas o absoluto desgarre científico – a constituição das ciências sociais como instituição autônoma – permitiria legitimação para aquilo que só as ciências sociais podem fazer enquanto arma de combate. Noutro, Fanon, a partir da fusão de todos os instrumentais, conjugando línguas radicalmente distanciadas, como a luta de classes, a violência política, a demanda da identidade e a hermenêutica psicanalítica do inconsciente. Pureza epistemológica em Bourdieu, nebulosa de todas as causas políticas em Fanon. O que os enlaça no estudo aqui presente? Em primeiro plano, a discussão da colonialidade, o que é, no limite, a discussão do poder desigualmente operado nos processos históricos planetários. Num segundo instante, ressalta-se a operação antropológica da alteridade atuando no próprio coração das trevas da vida intelectual, que se poderia dizer a escrita do outro a partir da inscrição de si: a assinatura política daquele que intervém pela palavra, o intelectual. O valor inaudito da pesquisa de Jefferson Cavalcanti Lima, assim me parece, é o de capturar a gênese gnosiológica partilhada por dois nomes fundamentais das ciências humanas contemporâneas num contexto compartilhado. Ricardo Luiz Pedrosa Alves