Novo

Fazendo Antropologia No Alto Solimões V. 10

52 reais

em 10x 5 reais con 90 centavos

Enviando normalmente

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Frete grátis comprando 2 ou mais unidades

O frete grátis está sujeto ao peso, preço e distância do envio

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 10x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Descrição

Fazendo antropologia no Alto Solimões V. 10 Carmen Junqueira Michel Justamand Renan Albuquerque 14x21 - 168pg ISBN 9788563354990   A teoria social, para além de superar essas clivagens acadêmicas, tem ressaltado o caráter fecundo da interação com as pessoas, com os não estudiosos, com indígenas, sem-teto, pobres, com qualquer um em sua individualidade e como parte de grupos humanos de classe, de gênero, étnicos ou outros. Esse posicionamento funda-se na expectativa fática de que as pessoas possuem percepções, sensibilidades e ações que são significativos em si e podem ajudar muito a entender o funcionamento e a transformação social e, por isso mesmo, contribuir para transformá-las. O volume FAAS 10 congrega abordagens diversas e coloca em diálogo autores e perspectivas que nem sempre costumam ser postas em correlação, como Foucault e Ginzburg, Marx e Kant, Binford e Shanks, Bourdieu e Thompson. Essa abertura teórica combina bem com a diversidade de perspectivas disciplinares em diálogo: História, Antropologia, Arqueologia, Jornalismo, Folclore, Filosofia, mais evidentes, mas também os Estudos Literários e a Mitologia. Aspectos importantes a serem ressaltados são a recorrente interação com nãoacadêmicos e a quebra de hierarquia, ao se juntar estudiosos nos mais diversos estágios de aprendizado e titulação, além de variação de etnicidade, identidade ou nacionalidade. Outro aspecto a ser mencionado é a perspectiva periférica, que permite colocar em relação produtiva as tradições acadêmicas alemãs, francesas, anglo-saxônicas e ainda italianas, que, muitas vezes, pouco se relacionam entre si, com as abordagens latino-americanas e brasileiras, tudo sob o manto diáfano do pós-colonialismo, a enfatizar como a situação periférica pode ser produtiva e fértil, ao mesclar o que alhures não se mistura. A leitura desta obra, em sua rica diversidade de perspectivas e estudos de caso poderá inspirar a muitos a pensar e agir de maneira refletida, e prazerosa, por que não? Pedro Paulo A. Funari Professor Titular do Departamento de História da UNICAMP